Lâmpada votiva

Qual é o sentido das Lâmpadas votivas e das Velas que são acesas no Santuário?

Muitas vezes usamos sinais sensíveis para expressar nossos sentimentos ou pensamentos ou desejos. Por exemplo: pelo abraço, no encontro com outra pessoa, demonstramos nossa simpatia e amizade. Quando se trata de expressar valores espirituais, precisamos mais ainda de sinais sensíveis.

Quem acende Lâmpadas Votivas ou velas no Santuário, exprime seu carinho pelas almas dos falecidos ou sua preocupação com o bem de pessoas que ainda têm uma missão a cumprir. Enquanto estão acesas, as lâmpadas e as velas, que foram compradas especialmente para determinada ocasião, são sinais de vigília e de oração. Durante o tempo que elas se iluminam, pede-se, através daquelas luzes, a luz de Deus para os vivos ou falecidos. Em alguns casos, o que deseja, é que as almas dos falecidos tenham o descanso eterno, e, em muitos outros, pede-se a intercessão das almas, para que consigam do Sagrado Coração de Jesus as graças que pessoas deste mundo estão necessitando.

E a vela acessa, na liturgia e no uso geral da Igreja, sempre representa a Luz de Cristo ressuscitado. É a fé em Cristo ressuscitado que deve iluminar a nossa caminhada através dos anos da vida e especialmente quando se trata dos mistérios da vida, da morte e da ressurreição.

A esse respeito escreveu um grande teólogo contemporâneo:


“A vela, que se consome silenciosa e humilde. É como o símbolo de nossa incapacidade de servir ao Criador… A natureza matéria é mais dócil à ação divina do que o coração humano, que resiste à obra de Deus. Eis por que um coração de aspirações limitadas mantém acesa a vela obediente, qual súplica concreta, para obter a submissão respeitosa da alma obstinada e da vontade rebelde aos ardores do amor divino. A vela suplicante, deixada a extinguir-se na solidão, é como o sinal sensível de nostalgia inexprimível e secreta. Nostalgia que brota do íntimo da alma e que sobrevive à existência efêmera de uma vela a se consumir.”
(E.H. Schillebeecks)